sábado, 28 de janeiro de 2017

Opinião - A Crown of Swords

Ficha Técnica:
Autor: Robert Jordan
Série: Wheel of time #07
Páginas: 762
Editor: Orbit
ISBN: 1857234030

Sinopse:
Elayne, Aviendha and Mat come ever closer to the bowl ter'angreal that may reverse the world's endless heatwave and restore natural weather. Egwene begins to gather all manner of women who can channel - Sea Folk, Windfinders, Wise Ones, and some surprising others. And, above all, Rand faces the dread Forsaken Sammael, in the shadows of Shadar Logoth, where the blood-hungry mist, Mashadar, waits for prey...

Opinião:
Foi com algum receio que comecei a leitura deste livro. Tinha bastante receio relativamente ao tempo que o iria demorar a ler visto que o último livro que li do autor levou-me quase um mês a ler, dai que tenha ficado bastante satisfeita quando o consegui terminar em menos de uma semana.

Foi uma leitura compulsiva. Cheia de acção desde o início até ao fim. Desta vez não senti que o autor estivesse a arrastar a história e que existissem descrições repetitivas e desnecessárias. Pelo menos não em demasia. No geral o autor é bastante descritivo, e por isso não deixou de haver alturas em que achei que era de mais, mas este facto não me incomodou tanto como anteriormente o que me fez apreciar mais a leitura.

Neste livro continuamos a seguir a história de Matt, Perryn, Rand, Elayne, Eugwene e Nynaeve. Existem outros personagens que também aparecem, mas essencialmente a história pertence a estes. Existem bastantes desenvolvimentos importantes para o desenrolar da história, nomeadamente o encontrar da taça que irá permitir aos nossos heróis reverter o tempo quente e seco que se faz sentir. Ao mesmo tempo existe uma grande evolução relativamente a determinados personagens e revelações inesperadas fazem com que o leitor se sinta surpreendido. O destino de alguns personagens que tinham andado desaparecidos é revelado, e foi interessante ver as alterações que dai adviram.

É difícil explicar o porquê de o livro ser interessante sem falar em pormenores específicos, daí preferir não me alongar na minha opinião. Vou apenas referir ainda dois aspectos que me deixaram algo desiludida. Um deles tem a ver com Nynaeve, acontece algo com esta personagem, algo que estamos à espera de ver a acontecer à algum tempo, e estava à espera de alo ligeiramente mais climático, o que não aconteceu. O outro aspecto que me deixou desiludida prende-se com o clímax da história. Achei-o um bocado morto, resolvido bastante depressa. Estava à espera de uma grande batalha, o que não aconteceu. Simplesmente num momento estava tudo a acontecer e no outro estava tudo acabado. E o pior é que nem percebi muito bem o que aconteceu. Ainda li o parágrafo duas ou três vezes. Fiquei com uma ideia do que poderia ter acontecido, mas ainda tive que me ir certificar.

De qualquer modo foi uma leitura bastante positiva, que me deixou entusiasmada para ler os próximos livros. Conto ler pelo menos mais três livros da série este ano, e se foram todos tão bons como este acredito que não será nenhum problema atingir este objectivo.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Opinião - Punk 57

Ficha Técnica:
Autor: Penelope Douglas
Páginas: 343
Editor: Penelope Douglas LLC
ASIN: B01KB8XC5A

Sinopse:
"We were perfect together. Until we met."

Misha

I can't help but smile at the lyrics in her letter. She misses me.

In fifth grade, my teacher set us up with pen pals from a different school. Thinking I was a girl, with a name like Misha, the other teacher paired me up with her student, Ryen. My teacher, believing Ryen was a boy like me, agreed.

It didn't take long for us to figure out the mistake. And in no time at all, we were arguing about everything. The best take-out pizza. Android vs. iPhone. Whether or not Eminem is the greatest rapper ever...

And that was the start. For the next seven years, it was us.

Her letters are always on black paper with silver writing. Sometimes there's one a week or three in a day, but I need them. She's the only one who keeps me on track, talks me down, and accepts everything I am.

We only had three rules. No social media, no phone numbers, no pictures. We had a good thing going. Why ruin it?

Until I run across a photo of a girl online. Name's Ryen, loves Gallo's pizza, and worships her iPhone. What are the chances?

F*ck it. I need to meet her.

I just don't expect to hate what I find.

Ryen

He hasn't written in three months. Something's wrong. Did he die? Get arrested? Knowing Misha, neither would be a stretch.

Without him around, I'm going crazy. I need to know someone is listening. It's my own fault. I should've gotten his phone number or picture or something.

He could be gone forever.

Or right under my nose, and I wouldn't even know it.

Opinião:
Este é um livro que me deixa bastante dividida. Por um lado gostei bastante da premissa, por outro achei que havia determinadas situações que deviam ter sido melhor trabalhadas.

Por exemplo, a descrição inicial que temos da Ryen é de alguém que se sente à parte e que de alguém que gosta de ajudar os outros e afins. Quando a conhecemos afinal ela é uma rapariga mázinha, que gosta de fazer pouco dos outros e que se dá com os populares da escola e que supostamente o faz porque não gosta de estar sozinha e afins. E eu percebo, eu consigo compreender perfeitamente o facto de ela se sentir deslocada e sozinha e se querer integrar e para isso ter que fingir que é uma pessoa completamente diferente, o problema é que a autora não me consegue fazer acreditar nesta dupla faceta da Ryen. Possivelmente porque aquilo que sabemos da faceta mais "doce" dela é aquilo que o Misha vai descrevendo, ou o muito pouco que lê-mos através das cartas que recebeu. Mas não foi o suficiente para me fazer acreditar na dualidade desta personagem e na luta que ela sofre todos os dias dentro dela. Sinceramente a sua construção enquanto personagem não me cativou por aí além.

O Misha, well, gostei mais das partes contadas do seu ponto de vista. Achei-o mais maduro e com um objectivo definido. Claro que ele se mete numa grande embrulhada desnecessária, mas consigo perceber e aceitar muito melhor os seus motivos que os da Ryen. Achei que estavam muito melhor contextualizados e de acordo com aquilo que se conhece deste personagem.

Houve outros pontos acerca deste livro que achei interessantes e aos quais acho que devia ter sido dada mais importância. Nomeadamente ao facto de muitos jovens se colocarem em maus caminhos de modo a conseguir estender os seus limites, o que acaba por os prejudicar. As pessoas deviam julgar menos os outros e os outros não deviam dar tanta importância a tentar ser perfeito. Ninguém o é. E não é por ser-mos melhores que vamos conseguir que as pessoas nos prestem atenção. Ao mesmo tempo foi um pouco assustador ver como o sexo pode ser usado como arma. Como às vezes o medo de represálias ou as atenções de determinadas pessoas nos podem levar a baixar as defesas, levando a que façamos algo que nos arrependemos para o resto da vida. Por fim uma das coisas que mais gostei no livro foi a reviravolta de quem é o Punk. Se calhar sou eu que sou muito distraída porque a autora vai dando várias pistas, mas nunca pensei nessa opção.

Basicamente, gostei de uma série de coisas, mas as principais não foram propriamente os personagens nem a sua história.

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Opinião - Bronw Girl Dreaming

Ficha Técnica:
Autor: Jacqueline Woodson
Páginas: 353
Editor: Nancy Paulsen Books
ASIN: B00M3Q6ONG

Sinopse:
Jacqueline Woodson, one of today's finest writers, tells the moving story of her childhood in mesmerizing verse.

Raised in South Carolina and New York, Woodson always felt halfway home in each place. In vivid poems, she shares what it was like to grow up as an African American in the 1960s and 1970s, living with the remnants of Jim Crow and her growing awareness of the Civil Rights movement. Touching and powerful, each poem is both accessible and emotionally charged, each line a glimpse into a child’s soul as she searches for her place in the world. Woodson’s eloquent poetry also reflects the joy of finding her voice through writing stories, despite the fact that she struggled with reading as a child. Her love of stories inspired her and stayed with her, creating the first sparks of the gifted writer she was to become.

Opinião:
Opinar poesia não é de todo a minha praia. Não sou experiente na matéria e por isso é complicado para mim analisar se aquilo que estou a ler é bom ou não. Posso achar simplesmente que não é bom porque não percebo o tipo de poesia que estou a ler ou vise-versa.

Assim sendo o que posso dizer acerca deste livro é que no início me custou um pouco a conseguir perceber a maneira como a autora escreve e perceber o ritmo correcto para ler os seus versos. Mas assim que lhe apanhei o jeito foi fácil de ler estes versos com o devido ritmo. Levando a que quisesse sempre ler um pouco mais e saber o que vinha a seguir.

As memórias que a autora pretende transmitir são vividas e é fácil perceber aquilo que muitas vezes está subentendido nas suas observações do seu  tempo enquanto criança. É triste ver as dificuldades porque a autora e a família passaram, mas ao mesmo tempo é gratificante ver como mesmo assim a autora teve uma infância feliz rodeada do carinho da sua família.

Parece-me ser um retrato fidedigno do que se vivia na América naquele tempo, apesar de não ser uma perita no assunto. Outro ponto que gostei é o modo como a autora nos vai mostrando o aparecer do seu amor pelas palavras e como este vai evoluindo. Ficou a curiosidade de ler outros livros da autora.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Desafios da Joana - 2017 Monthly Keyword Reading Challenge

E aqui está mais um dos desafios habituais, o 2017 Monthly Keyword Reading Challenge. Aquilo que disse para o Monthly Motif Reading Challenge funciona bastante bem também para este desafio. Normalmente gosto de tentar combinar os dois, utilizando o mesmo livro, mas parece-me que este ano não irei ter muita sorte... Em baixo ficam as palavras para cada mês e a lista que vai sendo actualizada mensalmente.


(original daqui)


JAN- Court, Fall, Of, Way, Deep, Thousand

FEB- And, Rose, Promise, Every, Deception, Blazing

MAR- Shall, Go, By, Silence, Her, Saga

APR- From, Trigger, Tale, His, Crown, Mist

MAY- Four, Wind, All, Fury, Days, Shade

JUN- Without, Know, Good, Watch, One, Have

JUL- Before, Final, All, Freedom, Life, Dream

AUG- Sun, Infinite, Big, My, Wherever, Most

SEP- Sand, From, Between, Ever, Reasons, Clash

OCT- Darker, You, Ashes, Out, House, Sea

NOV- Place, War, Heart, Why, Give, Meet

DEC- Forget, Twilight, Only, Crystal, On, Will 



  1.  Robert Jordan - A Crown of Swords, Wheel of Time #7
  2. Andreia Ferreira - Soberba Ilusão, Trilogia Soberba #3

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Desafios da Joana - 2017 Monthly Motif Reading Challenge

E cá estamos para mais um ano deste desafio. Até agora tanto este como o 2017 Monthly Keyword Reading Challenge têm-me ajudado imenso a derrubar a minha pilha de livros cá por casa e a ler livros que eventualmente tão cedo não iria ler. Por isso cá vou eu para mais um ano disto! Mais uma vez este post servirá para ir colocando os livros que vou lendo todos os meses.


(original daqui)


January – Diversify Your Reading
Kick the reading year off right and shake things up. Read a book with a character (or written by an author) of a race, religion, or sexual orientation other than your own.

February – Undercover Thriller
Read a book involving spies, detectives, private investigators, or a character in disguise.

March – Time Traveler
Read a book set in a different dimension, a book in which time travel is involved or a dystopian or science fiction book where reality looks very different than what we’re used to.

April – Award Winners
Read a book that has won a literary award or a book written by an author who has been recognized in the bookish community. MAY – Book to Movie or Audio Read a book that has a movie based off of it. For an extra challenge, see the movie or listen to the audio book as well.

June – Destination Unknown
Read a book in which the character(s) take a trip, travel somewhere, go on a quest, or find themselves on a journey toward something.

July – Believe the Unbelievable
This month it’s all about fantasy. Epic fantasy, urban fantasy, fairytales, magic, etc.

August – Seasons, Elements, & Weather
Read a book in which the season, the elements, or the weather plays a role in the story.

September – Creepy, Chilling, & Frightful
Cozy mystery ghost stories, paranormal hauntings, murder mysteries, weird and scary creatures- it’s up to you!

October – Games, Challenges, & Contests
Read a book that involves a game of some sort. Video games, war games, psychological mess-with-your-mind games, characters who participate in a contest, or a story in which the character takes on a challenge.

November – Last Chance
Read a book you’ve been meaning to get to all year but haven’t yet or read the last book in a series you started.

December – Picking Favorites
Read a book by one of your favorite authors or read a book that Girlxoxo has recommended this year.


  1.  Jacqueline Woodson - Brown Girl Dreaming
  2. M.J. Arlidge - A Casa de Bonecas, Helen Grace #3

domingo, 8 de janeiro de 2017

Desafios da Joana - 2017 Mount TBR Challenge

Mais um ano que se inicia e mais um ano em que vou participar neste desafio. A intenção é reduzir a pilha de livros que tenho cá por casa e decidi manter o mesmo nível do ano passado, Mount Blanc - 24 livros. Este post vai basicamente servir para ir colocando os livros que li durante o ano e que pertencem a este passatempo.

 (original daqui)


  1. Guy Gavriel Kay - Tigana, A Lâmina na Alma, Tigana #1.1 
  2. Guy Gavriel Kay - Tigana, A Voz da Vingança, Tigana #1.2
  3. Robert Jordan - A Crown of Swods, Wheel of Time #7
  4. Anne Rice - A Rainha dos Malditos Vol I, The Vampire Chronicles #3.1
  5. Anne Rice - A Rainha dos Malditos Vol II, The Vampire Chronicles #3.2
  6. Melissa Marr - Desert Tales
  7. M.J. Arlidge - A Casa de Bonecas, Helen Grace #3
  8. Andreia Ferreira - Soberba Ilusão, Trilogia Soberba #3
  9. Ursula K. Le Guin - A Cidade das Ilusões 

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Opinião - Blood Vow

Ficha Técnica:
Autor: J. R. Ward
Série: Black Dagger Legacy, #2
Páginas: 432
Editor: Ballantine Books
ASIN: B01CWZGA4U

Sinopse:
#1 New York Times bestselling author J. R. Ward returns as her thrilling, original spin-off series set in the world of the Black Dagger Brotherhood continues! When a brooding vampire warrior-in-training teams up with a quick-witted aristocrat to solve a deadly mystery, the only thing more dangerous than their mission is their undeniable attraction.

Trainees at the Black Dagger Brotherhood’s training center continue to prepare for the war against the Lessening Society, but fighting is the last thing on Axe’s mind. Still plagued with the guilt of his father’s death, the brooding loner finds himself battling an unlikely attraction to Peyton’s enticing, aristocratic cousin, Elise. Elise feels it, too – especially when the two are thrown together in unusual circumstances, and she must decide whether she can trust Axe as she uncovers the mystery surrounding her sister’s death.

Meanwhile, Mary and Rhage are fostering Bitty, a young pretrans orphan, and hope to adopt her… until the appearance of a young male claiming to be Bitty’s blooded uncle threatens to tear the new family apart.

Opinião:
Neste livro continuamos a seguir a história dos novos recrutas. Ao mesmo tempo continuamos a seguir o que se passa com os guerreiros da Irmandade da Adaga Negra. Neste caso ficamos a conhecer um pouco mais da história de Axe, um dos recrutas com um passado algo obscuro, e a história de Rhage, Mary e Bitty que se iniciou no livro anterior, The Beast.

Quanto à história de Axe esta não é fácil. O facto de o seu pai ter um passado trágico no que toca ao amor influência sobremaneira a maneira como Axe lida com as relações pessoais. Ao mesmo tempo Axe tem um ponto em comum com Craeg, que é o facto de os seus pais terem morrido devido ao egoísmo da glymera. Tudo isto leva a que o seu ódio por estes seja grande e seja difícil para ele aceitar que nem todos são iguais. A conexão imediata que surge entre ele e Elise, não me fez confusão. Em qualquer outro livro poderia não me ter caído bem, mas a verdade é que esta atracção imediata, a necessidade de gritar "minha" com um único olhar, faz parte do que significa ser vampiro. Há algo dentro deles que reconhece de imediato a sua cara metade.

Quanto às personalidades de ambos os personagens, gostei tanto de Axe como de Elise. De Axe já tínhamos visto um pouco e sabíamos que ele estava longe de ser perfeito. Alguém bastante amargurado que usa o sexo como escapatória não é propriamente novidade, mas Axe acaba por ir mudando aos poucos. Aceitando as suas falhas de carácter e aprendendo a lidar com os seus erros e a aceitá-los. Tornando-se numa pessoa melhor. Já Elise é bastante parecida com Paradise. Não quer ser apenas uma fêmea para procriação que fica em casa à espera que o seu destino seja decidido por outrem. A forma que Elise arranjou para se tornar uma pessoa mais independente foi ir tirar o seu curso de psicologia de modo a que no futuro possa ajudar a sua raça a ultrapassar todo o mal que lhes foi feito e tudo aquilo que perderam por causa da guerra com os lessers. Apesar de Elise já ter começado a tomar as rédeas da sua vida há muito a que ainda não se atreve, e acaba por ser a sua relação com Axe que a leva a passar a linha da qual não há volta a dar.

Quanto a Mary, Rhage e Bitty, o famoso tio finalmente aparece. E parece que o mundo vai desabar tanto para Rhage como para Mary. Ambos passam pelo inferno emocionalmente enquanto é feito uma averiguação ao tio e quando Bitty começa a passar tempo com ele. Por fim as coisas acabam por se resolver da melhor maneira. Mas foi uma jornada penosa tanto para Rhage como para Mary, jornada essa que no final acabou por os tornar ainda mais unidos enquanto família.

Não posso deixar de falar de algumas surpresas. Nomeadamente o facto de que se descobre de quem Novo gosta, de que Peyton acaba por reconhecer que tem uma atitude preconceituosa para com as fêmeas e acaba por ter uma mudança de atitude que até para ele é inesperada. O próprio tio de Bitty mostrou ser uma pessoa extraordinária. Alguém bastante calmo, mas seguro de si. Alguém que realmente só quer o bem para a sua família, e que através das suas atitudes acabou por se tornar o próprio parte de uma família bem maior do que alguma vez poderia esperar. Além de que ficamos a descobrir quem é que eventualmente vai ser o par amoroso do Saxton! Yeaaaah! Fiquei tão contente porque ambos são pessoas maravilhosas! E Lassiter, que dizer de Lassiter? Não há dúvida de que aquele anjo é algo de extraordinário. Sempre pronto a ajudar os outros e a fazer figura de parco de modo a aliviar os momentos mais difíceis. É fácil ver que apesar de tudo aquilo que diz é alguém que realmente se preocupa com toda a gente naquela mansão e que fará qualquer coisa para os ajudar a ser felizes.

Estou algo curiosa para o próximo livro da saga original visto ser com o Xcor e a Layla. Espero que finalmente tenham a sua paz e que possa tudo correr pelo melhor. O Xcor definitivamente merece, e a Layla também. Visto que merece encontrar o amor que todos os outros encontraram. Depois daquilo porque passou merece o mundo. E estou também bastante curiosa para saber quem será o próximo recruta a ter a sua história contada. Será o Peyton? A Novo ou o Boone? É esperar para ver.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Peek-a Book (Rita) - A Canção de Kali




Ficha Técnica:
Autor: Dan Simmons
Título Original: Song of Kali
Páginas: 235
Editor: Saída de Emergência
ISBN: 9789896371166
Tradutor: João Barreiros

Sinopse:
Robert Luczak, jornalista e editor, é enviado a Calcutá para recuperar um manuscrito de uma raridade incalculável. O seu autor é um obscuro poeta indiano que morreu há quase dez anos. O manuscrito, no entanto, é mais recente, e estranhos rumores dizem que o autor ressuscitou para escrever essa obra.

Aconselhado por um amigo a não aceitar a missão, Robert ignora o aviso e até leva a mulher e a filha recém-nascida. Uma decisão que o irá atormentar para o resto da vida.

Calcutá é um lugar selvagem, agressivo, imundo e infinitamente estranho. Logo que chega Robert é arrastado para as entranhas da cidade e descobre que não é o único a perseguir o valioso manuscrito. O Culto de Kali - uma temível seita que conspira para invocar a Deusa da Morte e libertá-la sobre a Terra - está disposto a tudo para o encontrar: sangue, morte e até sacrifícios humanos.

Opinião:
Shame, shame, shame! Eu sei, que vergonha, estou mais que mega atrasada com esta opinião, já para não falar de outras leituras *snif*...
Já tinha A Canção de Kali há anos e anos cá em casa por ler e posso dizer que foi com satisfação e curiosidade que vi a Joana escolher-me este livro para ler aqui para o nosso Peek-a Book.

Este livro proporciona ao leitor uma leitura no mínimo especial e, no meu caso, fez-me sair um pouco da minha zona de conforto, já que não estou habituada a thrillers e leituras estilo horror.
A narrativa é sempre sombria, com descrições cruas e tenebrosas sublimemente executadas, daquela pútrida cidade de Calcutá, que ainda hoje me traz alguns arrepios. Onde tudo é cinzento e mórbido, onde cada sombra esconde algo de sinistro, onde cada passo percorrido implica uma espreitadela por cima do ombro.

É nesta cidade maldita que reside, na minha opinião, o maior encanto desta obra. Nela e na associação da seita da Deusa Kali. Os personagens estão bem delineados, são realistas, mas são postos um pouco na sombra por aquele colosso malfadado que é a Calcutá de Dan Simmons. 

Para mim, A Canção de Kali, é um livro difícil de descrever, porque é uma obra que gostei e ao mesmo tempo não gostei de ler. Gostei porque está extremamente bem escrita, é diferente e tem muita qualidade. Não gostei, porque é daquelas histórias que nos fazem virar a cara lentamente de tão sinistras. Não é uma história bonita e agradável, daí que essa outra face da moeda do "não gostei", merece umas aspas, pois não é de facto em absoluto real. 

Confuso, não é? Eu sei, continuo com muitos sentimentos estranhos e distintos sobre este livro. Mas uma coisa é certa meus caros, vale a pena. Se puderem, dêem uma oportunidade a este livro. Saiam da vossa zona de conforto e entrem nas trevas desta sinistra Calcutá. Eu por cá, posso dizer que fiquei com vontade de conhecer mais obras de Dan Simmons. Não sei para quando será, mas pelo menos fica o interesse. Boas leituras!


domingo, 1 de janeiro de 2017

Retrospectiva de 2016

2016 foi um ano razoável. Não considero que tenha sido propriamente um ano bom a nível de leituras porque tenho a consciência que houve longos períodos de tempo em que não conseguia ler porque não tinha vontade, sendo que posteriormente lia vários livros seguidos. Preferia que as leituras tivessem sido mais constantes em vez de terem existido tantos altos e baixos.

Ao mesmo tempo este foi um dos anos em que menos li. Tenho a ideia que isso aconteceu essencialmente porque não li tantos contos como em anos anteriores, mas mesmo assim gostava de ter conseguido ler um pouco mais. Em contrapartida este ano consegui ler mais ou menos a mesma quantidade de livros no kindle e em formato físico. O que quer dizer que de certa forma dei um grande avanço à minha TBR. Indo verificar ao desafio correspondente só aparecem 25 livros lidos, porque só costumo incluir livros comprados em anos anteriores ao actual. Neste caso não inclui as BD's que comprei este ano e que já li e não contei com uma colecção de livros que tinha cá por casa. Contudo tudo somado faz metade das leituras, o que me deixa bastante satisfeita e com vontade de para o ano continuar a apostar mais nos livros antigos que tenho cá por casa e que há muito aguardam ser lidos.

Quanto aos desafios em si, consegui cumprir com todos (yeaaah), o que significa que devo mantê-los para o próximo ano. Eventualmente vou deixar de fazer o dos retellings, mas manterei os outros porque vejo que realmente têm resultado. Este ano vou continuar a focar-me em ler livros que já tenha comprado, o que significa em formato físico, e que sejam anteriores a 2017. Isto vai levar a que essencialmente vá terminar algumas séries que tinha penduradas visto o ano passado ter-me focado em comprar os livros que me faltavam para terminar algumas séries.

Quanto à qualidade das leituras, acho que no geral se mantém equivalente aos anos anteriores. A sensação que tinha é que não apanhei livros tão bons, mas no geral também li menos, daí que assim o pareça. Descobri alguns autores interessantes e que já andava para ler à imenso tempo. Consegui também comprar um livro que andava a tentar encontrar à séculos e por isso sinto-me bastante realizada!

Durante os próximos dias devo começar a postar os desafios deste ano e tenciono começar a ler dentro em breve os livros correspondentes ao mês de Janeiro.

Vamos ver o que trás 2017, espero que mais e melhores leituras que 2016...